1 de agosto de 2008

'Uma risada que só ela tem'

A Farofa me levava ao cinema, em Madureira, quando eu era apenas uma garotinha curiosa. E como nos divertíamos com pipocas, refrigerantes, 'Os Trapalhões', 'Loucademia de Polícia' (todos) e congêneres! Ela também me levou ao primeiro show no Canecão, em meados dos anos 80. Era a 'Blitz' de Evandro Mesquita e Fernanda Abreu. Ah, isso vai ganhar nota de rodapé na minha biografia: a prima é culpada por eu me chamar Monica Cristina Ramalho Cunha. De onde saiu esse maldito 'Cristina', que confere ao nome de qualquer pobre coitado um ar mexicano? Sim, idéia da Fátima Cristina Ramalho Lopes. Há!

Eu tinha dez anos quando fomos na estréia da 'Ópera do Malandro', de Ruy Guerra. Gostei do filme, mas pirei mesmo por ter furado a censura de 14 anos. Isso porque eu já tinha os 1,72 atuais, embora o meu riso frouxo ainda não houvesse aparecido. Sim, fui uma adolescente em crise, revoltada, daquelas que não penteavam os cabelos e rabiscavam jeans, mochila, all star. Hoje acho graça das lembranças. Até porque quem passa umas horas comigo hoje não esquece jamais da minha gargalhada. E o poema que ganhei da prima pelos meus 32 anos capta isso tudo muito bem. Vamos lê-lo?

Nascida na terra de ninguém, que foi feita
para todos ou não!
Lá não ficou, pois seu caminho
já estava traçado junto ao mar.
Amando as ondas que lambem a areia
com prazer e cumplicidade.
Assim é a vida de Monica: Prazer e cumplicidade,
esperando o deleite da noite
e desvendando os dias de sol.
E se chover?!
Putz! É uma droga, pois seu carioquês de DNA
fala mais alto e tudo muda.
Brada por lua, estrelas e compactua com o sol.
Com os anos vem ganhando brilho, esboçando
uma doce naturalidade.
Mas o melhor de Monica vem do fundo de sua alma,
uma risada que só ela tem - ela e talvez 'Irene'.
Essa é Monica: Uma mulher autêntica que fala
o que pensa e não apenas pensa, faz.

* Poema de Farofa e foto das prediletas do álbum de família *

9 comentários:

Claudia Holanda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Claudia Holanda disse...

eu só complementaria o poema com...

"além de tudo isso, monica da vila é chorona, amiga e canalha, na melhor acepção do termo, claro".

ahahahahah
beijocas, moniquinha

Val Becker disse...

A� F�tima, lindo, lindo, hein?!
Pode fazer aquela carinha linda de orgulho pra falar do poema, sim!
Voc� sabe, eu sou sua f� :))

Ah! Essa famosa gargalhada! � como rir de portas abertas. :))

E que os dias sejam sempre de sol, n� amada? Porque - como diz a Farofa - 'se chover, tudo muda'! :P

Amo Amo!

*Claudinha, a canalhice � resqu�cio do tempo que em a pe�a escrevia tudo na agenda do snoopy... rs rs

monica disse...

e-mail da marcella linhares, amiga fundamental que não consegue comentar aqui! rs

"Minha flor, adorei o poema da sua prima. Ela te conhece muito bem! Aguardo o post da festinha.....

Beijos com sabor de sexta-feira ao sol!"

Val Becker disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Val Becker disse...

Lá vai o comentário sem os indesejáveis quaradinhos no lugar dos acentos:

Aí Fátima, lindo, lindo, hein?!
Pode fazer aquela carinha linda de orgulho pra falar do poema, sim!
Você sabe, eu sou sua fã :))

Ah! Essa famosa gargalhada! É como rir de portas abertas. :))

E que os dias sejam sempre de sol, né amada? Porque - como diz a Farofa - 'se chover, tudo muda'! :P

Amo Amo!

*Claudinha, a canalhice é resquício do tempo que em a peça escrevia tudo na agenda do snoopy... rs rs

Claudia Holanda disse...

ahahahahahha, total, Val, total!

Anônimo disse...

Monica vc é minha querida!!!
Só escrevo o que sinto, bjs.
Fatima Ramalho

PAUL CONSTANTINIDES disse...

muito interessante.
fiquei pensando: Terra de ninguem, que foi feita para todos ou nao!
hum...Minas?
quem sabe?

bela homenagem da Farofa, q alias tem um lindo apelido.
acho q farofa combina com tudo e da mais sabor.
agora Monica Cristina...KKK
eh bonitinho sim..
se vc fosse mais ligada ao hip hop, rap..ia se chamar MC Ramalho..KKKKK

para ramalho
mil ramalhetes

abs
Paul