28 de agosto de 2008

'No gargalo': O novo castelo do papa

No jargão jornalístico, matéria recomendada (ou reco) é aquela que os chefes, por interesse próprio, mandam os repórteres fazerem. Pois bem, meus caros, a postagem de hoje é "reco" total. Minha amiga e chefa neste blog caiu de amores pelo Châteauneuf-du-pape e, assim como que não quer nada, me mandou a letra: "Claudinha, quer escrever sobre a parada do chateauneuf, não?" Eu, que manjo a figura há milênios, entendi a mensagem.

Bem, Châteauneuf-du-pape é uma cidade do sul da França e também uma denominação de origem controlada. Tudo começou com a chegada dos papas a Avignon durante a Idade Média. E, vocês sabem, naquela época onde tinha padre, tinha vinhedo (sim, devemos isso de bom à Igreja Católica. Os religiosos foram os primeiros grandes vinicultores da história).

Aí, no século XIV, o papa Clemente V plantou várias cepas e começou a produzir o vinho que abasteceria toda região de Châteauneuf. O negócio bombou. A Igreja tornou-se a produtora oficial e escolheu o local para construir sua residência de veraneio. Coisa simples, um castelo. Depois, o lugar ficou conhecido como Châteauneuf-du-pape (que, em bom português, significa 'novo castelo do papa') e, por volta dos anos 20 foi sacramentada como denominação de origem controlada.

Para este vinho, a lei francesa permite a utilização de 13 uvas, mas em geral, predomina a cepa grenache, mesmo nos
"assemblages". De fama mundial, reconhecido por sua garrafa bojuda com o selo das armas papais, este vinho tem força e elegância. Tem potencial de guarda. Alguns podem segurar uns bons dez anos repousando quietinho. Portanto, nada de pressa...

Se deu vontade de comprar, pesquise antes o produtor. Esses vinhos não são baratos, mas nem todos correspondem ao encanto do nome. Santé!

* Foto do rótulo de Monica Ramalho; a outra, saqueada da web *

10 comentários:

monica disse...

agora, sim, teu posto de titular da coluna tá garantido, claudiôlanda! hahaha

feroli disse...

Claudinha,

"Os religiosos foram os primeiros grandes vinicultores da história" <--Na verdade eles foram os primeiros bebuns da história.

Claudia Holanda disse...

foi uma babada e tanto, chefa..ksksk

fero, pode ter certeza que antes da Igreja católica existir, já existiam bebuns..ô se havia

feroli disse...

Antes da Igreja eram os mesmos bebuns que foram para ela.

monica disse...

olha a blasfêmia, feroli! rs

antigamente, os caras bebiam vinho de verdade naquele momento da hóstia e tal. depois vieram com suco de uva pra ficar mais em conta rs rs rs

Claudia Holanda disse...

tb tinha cerveja, minha gente. Os egípicios sabiam produzir cerveja, além de vinho. Tenho certeza que depois não viraram católicos...
desde que o ser humano apareceu na terra, ela descobriu formas de se endoidar..

Claudia Holanda disse...

corrigindo "ele", o ser humano.. e não "ela", como tá escrito

PAUL CONSTANTINIDES disse...

chega de papo e papa!!!
vamos beber!!!!

;-)

paul

Joana disse...

Eu trouxe de Curitiba um vinho muito bom, custa 18 Reais a garrafa, chama-se Duringhans e eu comprei no Bairro de Santa Felicidade e é de fabricação local. Eu gostei!

Claudia Holanda disse...

Beleza pura, Joana.
Não conheço esse, mas se vc falou, tá falado!